sábado, 15 de novembro de 2008

AS MULHERES GOSTAM DE FICAR TRISTES


[*Texto retirado do Blog do Sales]


Você olha para a sua mulher e ela está com a cara amofinada. Hum. Aí tem. Você a conhece, sabe que ela está chateada. Será que é algo que você fez? Ou algo que você não fez? Deve ter sido. Sempre é. Você chega para ela com todo o jeito e:
— Quê que foi?
Ela, ligeiramente impaciente:
— Quê que foi o quê?
— Você parece chateada...
Um pouco menos ligeiramente impaciente:
— Não é nada.
— Como assim, não é nada? Você está estranha.
Depois de um suspiro baixo, definitivamente impaciente:
— Estou triste, só isso.
— Por quê?
Outro suspiro. Levemente irritada:
— Por nada.
— Como assim por nada? Tem que ter alguma coisa!
Mais levemente irritada:
— Por nada, já disse!
— Ninguém fica triste por nada! Tem que ter algo!
Horrivelmente irritada:
— Já disse que não tenho nada!
E, antes que você possa contra-argumentar, ela pronuncia a frase definitiva e irrespondível:
— Tenho o direito de ficar triste!
Essa frase sempre me desconcerta. Porque direito é sempre algo bom, não é? A pessoa tem direito de morar bem, direito de ser feliz, direito de ganhar o décimo-terceiro e tal e coisa. Ninguém reclama ter o direito, por exemplo, de ser atropelado. Ou, sei lá:
— Tenho o direito de ter hemorróidas!
— Tenho o direito de fazer tratamento de canal!
— Tenho o direito de passar a minha vida inteira em Timboteua!
A mesma coisa isso de ficar triste. Por que as mulheres reivindicam o direito de ficar triste? Quem é que gosta de ficar triste?
Bem. Elas gostam. Elas querem ter o direito disso.
Assim, quando a sua mulher disser que não compreende por que você sofre por causa do futebol, responda simplesmente:
— Tenho o direito de sofrer!
Para você isso não significa nada, mas ela entenderá.
Por ter travado esse diálogo inúmeras vezes, sei que, na verdade, tudo não passa de uma cilada. Quando uma mulher está triste, ela quer que você pergunte por que ela está triste, mas, ao mesmo tempo, ficará irritada se você perguntar por que ela está triste.
Ela quer é falar. Falar, falar, falar. Vai dizer que as coisas estão erradas na vida dela, que ela precisa mudar e biribibi, mas não será nada objetivo. Muito irritante, sei, mas você precisa se conter e não perguntar os motivos de tudo aquilo. Não tem motivo, compreendestes? Toda aquela cena é só para falar. Falar, falar, falar.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Dez passos para superar uma separação

Por Eduardo Diório


São Paulo, 13 (AE) - Terminar uma relação não é fácil. O sofrimento e a sensação de "perda" são inevitáveis. Especialistas comentam 10 passos para superar o fim do romance



A decisão

É a primeira etapa, que ocorre quando as insatisfações se tornam visíveis e não existe mais diálogo e companheirismo. O processo de decisão da ruptura, por qualquer uma das partes, é lento. "É assustadora a idéia de construir uma vida sozinho e triste admitir que o relacionamento acabou. Há muito medo e dúvida envolvidos, seja por questões financeiras ou emocionais", explica Jacy Bastos, psicoterapeuta de casais e família e criadora do Grupo de Orientação para Descasados (Godes). Segundo ela, essa fase pode ser aberta e conhecida pelo casal, se optam por discutir os problemas, ou silenciosa. Passa o tempo e as coisas pioram novamente, com uma carga mais insuportável. O momento de decisão fica mais claro quando ao invés de questionar "como está o casamento?", começam a perguntar "como eu estou?".



A negação

É um mecanismo de defesa do psiquismo acionado diante de situações que a pessoa ainda não está pronta para lidar. Quando ela se fortalece, pode ver a situação tal qual ela é e, por vezes, pode se arrepender do que fez, se questionando, se foi a atitude mais correta ou não. "Isto pode também gerar o sentimento de culpa, a pessoa começa a reavaliar as suas atitudes e verificar que poderia ter feito de forma diferente", completa Maura de Albanesi, psicoterapeuta pós-graduada em psicoterapia corporal e master pratictioner em neurolingüística.



O fracasso

"Temos uma visão distorcida a respeito dos términos, dos finais de qualquer coisa, principalmente de relacionamentos afetivos. Encaramos isso como fracasso", acredita Denise Impastari, psicoterapeuta junguiana e psicóloga clínica. De acordo com a especialista, a vida é cíclica e passa por todos os movimentos. "O que acontece é que investimos muito pouco em nós mesmos para nos tornarmos pessoas inteiras. Ainda estamos insistindo 'nas metades da laranja'. Quem é metade e se casa com outra metade consegue, no máximo, duas metades. Esse modelo já está mais do que fracassado." No primeiro momento em que 'duas metades' se encontram, o que ocorre é uma projeção, que é natural, mas não para sempre. "Achar que nunca mais vai ser feliz é neurotizar a relação, acreditar que vai sempre repetir a mesma coisa e vai mesmo se a pessoa não se tornar menos órfão", diz Denise.



A culpa

A culpa prende a pessoa no passado, podendo deixar conseqüências no presente, apenas se martirizando por algo que já aconteceu, e que acredita não ter mais concerto. "Este sentimento de culpa a conduzirá ao sentimento de medo de se lançar em novos relacionamentos, pois poderá passar a não acreditar mais em si, na sua capacidade de lidar com os problemas", avisa Maura.



A rejeição

"Se a separação foi pedida pelo outro, é inevitável. Uma das coisas mais difíceis de ouvir é que você não é mais amado. A auto-estima cai, você se sente feio, desinteressante. Cuidado para não se humilhar ou transformar esse sentimento em rancor, principalmente quando o outro começar a namorar de novo", alerta Jacy.



O medo

O medo também paralisa, impedindo a pessoa de seguir em frente, duvidando das suas potencialidades. "A negação, culpa e medo se entrelaçam de tal forma que a pessoa se vê aprisionada dentro de si mesma, isto é, ela acha que tudo que foi vivido e experimentado é uma verdade absoluta, ficando cega para reconhecer novas oportunidades", comenta Maura. De acordo com ela, para reverter esta situação e sair desse ciclo vicioso, é interessante seguir alguns passos: aceitar que, no momento em que tudo aconteceu, não se sentia pronta o suficiente para agir de outra forma; aprender com os erros, pois é uma forma sábia de se viver; trabalhar com otimismo e encarar os erros com humildade; e desenvolver a coragem e a autoconfiança e sempre recomeçar.



Os altos e baixos

"É natural que a pessoa se sinta oscilando após o término de uma relação. Afinal, é legítima a sensação de liberdade, ora, a sensação de falta. Ocorrem os dois ao mesmo tempo, pois não existe apenas perda, mas também os ganhos em qualquer término", avisa Denise. Para ela, com o tempo, "tudo se integra e se minimiza, já que o sofredor não fica mais preso somente a um lado (o negativo). Os ganhos também começam a aparecer".



Manter a amizade ou querer vingança

É difícil quebrar o vínculo com quem se foi tão íntimo, amado e que te conhece tão bem. Quase impossível. O tempo cura isso e o distanciamento é inevitável, mesmo que a separação tenha sido amigável. É, acima de tudo, essencial para o recomeço da sua vida. "Não fique se sentindo na obrigação de entender tudo, compreender o que o outro sente, o que está acontecendo e não se culpe por ataques de ciúmes e posse. Tente ser amigável, sim, mas respeite seus limites. Se você sofre ao ouvir que o outro saiu com amigos, não pergunte e não procure saber", ensina a psicoterapeuta Jacy. Do lado oposto, "não nutra ódio ou revanche. No fundo esses sentimentos também são a maneira, negativa, de não cortar o vínculo, um processo lento, doloroso e necessário." A dica da profissional é: melhor não falar com o 'ex' do que fica brigando e tramando vingança. É melhor para você.



Começar de novo

"É complicado e, no começo, muito desanimador. Há a excitação de cair no mundo, solteiro, fazer o que quiser, decorar a casa como bem entender. Mas há o medo, a solidão, o vazio", reconhece Jacy. A cama, que antes tinha dois, agora só tem você, coisas que estava acostumado a fazer não tem mais graça sem a companhia do outro. É preciso ter coragem e estrutura emocional nessa hora. Segundo Jacy, o ideal é reunir os amigos, a família, ter sempre gente por perto para os momentos de solidão. "Mas não fique empurrando os sentimentos para debaixo do tapete. Devagar, vá se acostumando com o tempo que tem para você. Ele também é precioso."



A perda definitiva

Segundo Denise, o estágio da paixão traz a sensação de complementação total. "O problema real passa a ser a cegueira sobre nós mesmos. Acreditamos que o outro existe para nos dar aquilo que não nos damos. Sentimento de posse do outro é seu." De acordo com a psicoterapeuta junguiana e psicóloga clínica, isso não tem a ver com o amor e, sim, com o poder. "Aonde você estava que não percebeu que a relação estava chegando ao fim? O final é seguido do início, de algo novo, que pode ser na mesma relação ou fora." Para a especialista, uma coisa que ajuda muito é se incluir em tudo, ver qual a sua participação (não culpa) para que as coisas chegassem aonde chegaram. "Com isso, sair do papel de vítima poder fazer algo de bom com essa experiência. Até porque, se saímos de uma relação e já emendamos outra, trocamos 'seis por meia dúzia'." Caso a outra pessoa esteja namorando e você não, "isso vai fazer falta lá na frente, já que as pessoas não começam a namorar outra em seguida só porque estão felizes. Muitas pessoas não sabem ficar 'sozinhas', ou seja , não suportam ficar com elas mesmas".

Espontaneidade primordial: diante de tudo, só nos resta gargalhar

por Gustavo Gitti 12 November 2008

“Já que todos os fenômenos
são apenas espectros,
perfeitos sendo apenas o que de fato são,
sem qualquer inclinação para bem ou mal,
aceitação ou rejeição,
podemos realmente gargalhar”
Longchenpa, mestre budista do séc. XIV

Mulheres e mestres de meditação concordam. Quando perguntadas sobre o que faz um bom primeiro encontro, a maioria responde: “Ele tem de ser espontâneo”. Quando indagados sobre a qualidade que surge após muito desenvolvimento espiritual, os mestres são unânimes: “Espontaneidade”.

Veja o vídeo abaixo. Será que ficaremos assim quando descobrirmos espacialidade, luminosidade e ludicidade em qualquer fenômeno?

http://www.youtube.com/watch?v=cXXm696UbKY

Espontaneidade, quando em vida adulta, é sinal de algum grave problema – não ter filtro social, por exemplo, e sair andando nu pela rua – ou de muita sabedoria. Aliás, no Budismo, o tipo mais sofisticado de ação sábia e compassiva tem um nome: crazy wisdom (louca sabedoria). Em tibetano, a expressão é yeshe chölwa, sendo que yeshe significa sabedoria e chölwa seria algo como insano, “gone wild” em inglês ou, mais especificamente, sem ponto de referência.

A idéia de viver sem ponto de referência pode significar se mover sem referência alguma. Neste caso, recomenda-se medicamentos e terapia, claro. A mesma idéia também pode significar, por outro lado, viver com a capacidade de transitar entre incontáveis referências, sem fixação por nenhuma delas. A liberdade é a condição de possibilidade da autêntica espontaneidade. Chögyam Trungpa Rinpoche, mestre de Pema Chödrön (atualmente mais conhecida que ele aqui no Brasil), foi o grande propagador dessa abordagem.

Não precisamos de muito esforço para experimentar vislumbres disso. Depois de pouco tempo de meditação, nossa percepção sensorial fica bem mais aguçada. Estou falando de cores, cheiros e texturas, afinal não me interesso por nada extra-sensorial. Cada fenômeno surge de modo mais nítido, límpido. As coisas ficam vivas e coloridas, como se fosse a primeira vez. De fato, todas as coisas surgem dessa espontaneidade primordial a todo momento. Somos nós que embaçamos e descolorimos tudo com nossos monólogos internos e padrões de reação condicionada.

A arte zen é um dos mais claros exemplos de como a espontaneidade pode ser cultivada pelo abandono de nossas identidades e certezas. Todas trabalham com isso à sua maneira: arranjo floral, cerimônia do chá, teatro, pintura, técnicas marciais, caligrafia, poesia. Quem nunca se comoveu com as três simples frases de um haikai? Matsuo Bashô foi o grande mestre nessa arte. Seu haikai mais famoso é (em uma de suas infinitas traduções):

Olha o velho lago –
Após o salto da rã
O barulho da água.

É possível encontrar várias histórias que descrevem em detalhes como um tapa na cara ou um gotejar do telhado fazem surgir a iluminação derradeira em um meditante. Naquele simples momento, toda a estrutura do real é instantaneamente desvelada e o resultado disso é uma enorme gargalhada. É como se nosso casamento de 20 anos fosse precisamente igual a um carro que passa buzinando na rua enquanto meditamos. O som surge do nada, vive por um tempo e logo cessa. Quando realmente estamos abertos, isso é um milagre! Todos os fenômenos são iguais à cena descrita por Bashô: tchibum, zapt, ploft.

Um outro grande exemplo de homem espontâneo é Alberto Caeiro, o mais famoso heterônimo de Fernando Pessoa. Sua poesia é uma celebração da presença lúdica no mundo, aberta ao frescor dos eventos, à “eterna novidade do mundo”. Ser espontâneo é justamente isso: ser “nascido a cada momento”, como ensina Caeiro.

Deixamos cair conceitos e estratégias, deixamos de tentar controlar, ser alguém ou atingir algo. Abrimo-nos ao mundo, sem armas, sem defesas. Desse modo, como não há estratégias por trás, quando surgir uma ação, ela brotará da mesma base que dá luz a cada átomo do universo. As mulheres estão certas: uma noite de amor que não nascer disso, bem, não vale a pena nem começar.

Podemos olhar agora para toda a nossa vida. Acontecimentos, pessoas, histórias, momentos. Por toda parte, não há nada que seja diferente do papel cortado pelo bebê no vídeo. Só que, em vez de gargalhada, surge medo, dor, ansiedade. Ao mesmo tempo, o simples fato de sorrirmos junto com o bebê acima já prova que possuímos essa mesma espontaneidade primordial dentro de nós. Nascemos dela e, sem saber, somos por ela alimentados a cada segundo.

Uma das primeiras descobertas de quem começa a meditar é a de que os fenômenos não são tecidos de modo causal – um levando ao outro, um em cima do outro. Eles pulam diretamente de uma base ampla e livre, um a um, como se fossem (e são) autônomos. Se assim não fosse, a ação livre seria impossível: depois de uma traição, como não sentir raiva e impulso de vingança? Encontrar e surgir a todo instante desse espaço básico, sem agir a partir de coerências passadas, é o nosso desafio para vermos papéis cortados em todas as direções.

Dinheiro, emprego, problemas, crises e amores. É tudo nonsense, é tudo sonho, mistério e diversão. Já é hora, pois, de pegarmos a vida com as mãos e brincarmos sem esconder as gargalhadas.

Leia também: